FRANS KRAJCBERG

UN ARTISTE EMBLÉMATIQUE DU XXÈ SIÈCLE

Frans Krajcberg (1921-2017) est l’un des plus grands artistes brésiliens du XXème siècle. Sculpteur, peintre, photographe, fervent militant de la cause environnementale, il nous a quittés le 15 Novembre 2017, à l’âge de 96 ans.

Pedro_337456N30a-R.tif
Frans Krajcberg a.jpg
Foto de Maurice Dubroca

Nascido na Polônia em 1921, no seio de uma família judia, perdeu tudo durante a guerra e emigrou para o Brasil onde, fascinado pela riqueza natural da flora e da fauna, estabeleceu-se para criar implacavelmente até sua morte.

Seus vínculos com Paris permanesem muito fortes. Foi lá que ele encontrou refúgio entre os artistas de Montparnasse. Foi de lá que ele partiu, motivado por Marc Chagall e Fernand Léger. É para lá que ele sempre volta, reencontra os amigos e se revitaliza, lançando, definitivamente, uma ponte entre Rio e Paris.

Durante toda a sua vida, Frans Krajcberg colocou a sua arte a serviço da natureza a fim de “realizar um movimento que mobilize a expressão de uma consciência planetária”.

FERVOROSO ATIVISTA DA CAUSA AMBIENTAL

Frans Krajcberg é uma testemunha essencial do século XX e um ator engajado no grande combate do século 21: a preservação do planeta.

Suas obras são um grito de alerta e esperança.

Por meio delas, ele denuncia incansavelmente a pilhagem dos recursos naturais pelo homem, ao mesmo tempo que ilustra a surpreendente capacidade de resiliência da Natureza.

 

Suas esculturas e montagens são feitas a partir de madeiras “sobreviventes” dos incêndios na Floresta Amazônica, aglomerados de cipós entrelaçados, troncos policromados ou minérios de quartzo ... suas telas são impressões diretas da natureza que o rodeia (areia, pedras ...), enriquecidas com pigmentos naturais retirados das minas de Minas Gerais.

Frans Krajcberg brinca com as sombras e luzes lançadas em suas esculturas, que ele adorava retrabalhar no ritmo das estações. Sua obra parece perseguir uma busca sem fim: fazer reviver o que está morto.

Em 1975, sua exposição no MAM Beaubourg consagra Frans Krajcberg em seu desejo de mostrar a natureza esquecida, de denunciar a ameaça da extensão urbana pela terceira revolução tecnológica. “Percebi ali que a Arte pela Arte tinha acabado e eu quero que minhas esculturas sejam testemunhas desse desastre.”

Em 1976, Pierre Restany escreve o Manifesto do Rio Negro após viagem com Frans Krajcberg pela Amazônia e análise de sua obra. Ele é uma verdadeira súplica por uma arte comprometida com o planeta, chamando os artistas a renovarem suas consciências.

 

Nos anos 1985-90, Frans Krajcberg testemunha grandes incêndios que devastam a floresta brasileira. Ele os denuncia por meio de reportagens fotográficas, consequência das quais ele será ameaçado de morte. Seu amigo e ativista Chico Mendes é assassinado em 1988.

 

A década de 1990 trouxe-lhe o reconhecimento esperado, associando definitivamente o artista ao ativista: Krajcberg multiplica exposições de sucesso pelo mundo (Rio, Moscou, Paris ...).

Em 2005, no Ano do Brasil na França, uma grande exposição em Bagatelle o homenageia. Para Frans Krajcberg, esta é a oportunidade de lançar seu “Grito pelo planeta”.

 

Em 2015, Frans Krajcberg e o Espace desempenham um papel importante dentro da COP 21, hospedando líderes ameríndios. O Espace Frans Krajcberg torna-se um laboratório de ideias e trocas, uma “agência da Amazônia em Paris”.

Em 2016, Frans Krajcberg é o artista homenageado da Bienal de São Paulo.

 

Em 2017, é o primeiro artista convidado pelo Musée de l'Homme em Paris, por ter lançado o alerta sobre a questão essencial: "Para onde vamos?"

Apelando a "uma nova ética da criação artística", lembrando que o artista, mais do que nunca, "deve estar no cerne de todo projeto de civilização: plena e radicalmente".

Frans Krajcberg, Révolte III

Frans Krajcberg, "La Révolte III, 1994, bois brûlé et pigments naturels, 248 x 134 x 132 cm. Photo de Eric Sander.

Les années 1990 lui apportent la consécration attendue associant définitivement l’artiste au militant : Krajcberg multiplie les expositions à succès (Rio, Moscou, Paris...)

En 2005, pour l’année du Brésil en France, une grande exposition à Bagatelle rend hommage à l’artiste et au militant. C’est pour Frans Krajcberg l’occasion de lancer son « Cri pour planète ».

 

En 2015, Frans Krajcberg et l’Espace jouent un rôle majeur au sein de la COP 21, en recevant des leaders Amérindiens. L’Espace Frans Krajcberg devient un laboratoire d’idées et d’échanges, une "antenne de l'Amazonie à Paris".

En 2016, Frans Krajcberg est l’artiste d’honneur de la Biennale de São Paulo.

 

En 2017, il est le premier artiste invité au Musée de l’Homme de Paris en tant que lanceur d’alerte pour aborder la question essentielle de « où allons-nous ?

PRÊMIOS: (Seleção)

1954

Prêmio Aquisição - IIIº Salão Paulista de Arte Moderna

1955

Medalha de bronze – 4º Salão Paulista de Arte Moderna

1957

Prêmio de melhor pintor brasileiro - 4º Bienal de São Paulo

Prêmio Aquisição – 6º Salão Paulista de Arte Moderna                              

1964

Prêmio Cidade de Veneza, 32ª Bienal de Veneza
1973

Prêmio de melhor exposição individual do ano, na Galeria Múltipla de Arte em 1972 São Paulo

1977

Prêmio Bienal de São Paulo, 14a Bienal Internacional de São Paulo

1983

Prêmio na 1ª Bienal Ibero-americana de gravura, Museu de Arte Contemporânea, Montevidéu (Uruguai)

1998

Prêmio Multicultural “Estadão” concedido pelo jornal O Estado de São Paulo, São Paulo

2002

Medalha da Ordem do Rio Branco, no grau de Comendador, na Embaixada do Brasil em Paris

2004

Grã-Cruz da Ordem do Mérito Cultural, concedida pelo Presidente da República do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva

2012

Medalha Vermeil da cidade de Paris, concedida por Bertrand Delanoë, Prefeito de Paris

 

EXPOSIÇÕES INDIVIDUAIS: (seleção)

1945

Centro de Refugiados, Stuttgart (Alemanha)

1951

Galeria Domus, São Paulo, SP (Brasil)

1952

Museu de Arte Moderna de São Paulo, São Paulo, SP (Brasil) [04/1952]

1954

Biblioteca Municipal de Curitiba, Curitiba PR (Brasil)

1955

Hotel Monte Alegre, Monte Alegre

Petite Galeria, Rio de Janeiro, RJ (Brasil)

1956

Museu de Arte Moderna de São Paulo – MAM SP, São Paulo, SP (Brasil)

Galeria GEA, Rio de Janeiro, RJ (Brasil)

Leicester Gallery, Londres (Inglaterra)

1960

Galeria XXe Siècle, Paris (França)

Galeria Bonino, Rio de Janeiro, RJ (Brasil) [23/11 – 18/12]

1962

Galeria Del Naviglio, Milão (Italia) 26/04/1962 – 08/05

Galeria 27, Oslo (Noruega)

Galeria XXe Siècle, Paris (França) 20/02 – 16/03

Petite Galerie, Rio de Janeiro, RJ (Brasil)

Galeria São Luís, São Paulo, SP (Brasil) 16/08 – 10/09

1963

Galeria Ivan Spence, Ibiza (Espanha)

Casa do Brasil, Roma, (Italia)

1964

Museu de Arte Moderna - MAM RJ, Rio de Janeiro, RJ (Brasil) [12/08/1964]

Museu de Arte da Pampulha - MAP, Belo Horizonte, Minas Gerais (Brasil)

Galeria La Hune, Paris (França)

Petite Galerie, Rio de Janeiro, RJ (Brasil)

Ibiza Adventure, Leicester Gallery, Londres (Inglaterra)

1966

Galeria Debret, Paris (França)

Galeria J, Paris (França)

Galeria Relevo, Rio de Janeiro, RJ (Brasil)

1967

Galeria Querino, Salvador, Bahia (Brasil)

Illien Gallery, Atlanta (Estados Unidos)

1968

Galeria Maywald, Paris (França)

Galeria Barcinski, Rio de Janeiro, RJ (Brasil)

1969

Museu Philips, Adenhauer (Holanda)

Museu de Israel, Jerusalém  (Israel)

1970

Petite Galerie, Rio de Janeiro, RJ (Brasil)

1972

Espace Pierre Cardin, Paris (França)

Galeria Múltipla, São Paulo - Prêmio de melhor exposição individual

Galeria Ralph Camargo, São Paulo, SP (Brasil)

1973

Galeria XXe Siècle, Paris (França)

Maison de France, Rio de Janeiro, RJ (Brasil)

1974

Museu de Arte Moderna – MAM RJ, Rio de Janeiro, RJ (Brasil)

1975

Centro Nacional de Arte Contemporânea / Centre Georges Pompidou, Paris (França)

1976

Fundação Cultural do Distrito Federal, Brasilia, DF (Brasil)

 Museu Nacional de Belas Artes de Caen, (França)

Galeria Arte Global, São Paulo, SP (Brasil)

1978

Galeria Homero Massena, Vitória, ES (Brasil)

1979

Petite Galerie, Rio de Janeiro, RJ (Brasil)

Skultura Galeria de Arte, São Paulo, SP (Brasil)

1980

Galeria Gravura Brasileira, Rio de Janeiro, (Brasil)

1981

Sala Miguel Bakun, Curitiba, PR (Brasil)

Galeria Jean Boghici, Rio de Janeiro (Brasil)

Skultura Galeria de Arte, São Paulo, SP (Brasil) 09/06

1983

Cupido Bildkonst, Estocolmo (Suécia)

1984

Frans Krajcberg: Terra fotografias, Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro MAM RJ, Rio de Janeiro, (Brasil)

1986

Arte Galeria, Fortaleza, CE (Brasil) [30/10 – 22/11]

Galeria Charles Sablon, Paris (França)

Galeria Thomas Cohn, Rio de Janeiro, RJ (Brasil)

 Krajcberg: fotografias, Petite Galerie, Rio de Janeiro, RJ (Brasil) [26/08 – 05/09]

Krajcberg: relevos, GB ARTe, Rio de Janeiro, RJ (Brasil) [25/08 – 20/09]

Galeria Arco, São Paulo, SP (Brasil)

1988

Centro Cultural Boulogne-Billancourt, Boulogne-Billancourt (França) ???

Galeria Usina Arte Contemporânea, Vitória, ES (Brasil) [09/1988]

1989

Fundação Stahly, Crest, (França)

Galeria Thomas Cohn, Rio de Janeiro, RJ (Brasil)

1990

Galeria Sérgio Milliet, Rio de Janeiro, RJ (Brasil)

1992

Galeria Thomas Cohn, Rio de Janeiro, RJ (Brasil)

Imagens do Fogo, Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro, RJ (Brasil) - em paralelo à II Conferência Mundial das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento

Rio Earth Summit 92; esta mostra seguiu para o Museu de Arte Moderna de Salvador, Bahia (Brasil)

L’Homme du vert, Galeria Charles Sablon, Paris (França)

1995

A Revolta, Museu de Arte de Curitiba e Jardim Botânico, Curitiba, PR (Brasil)

Nas Trilhas da Grande Mãe: novas imagens da vida e da morte, Casa França-Brasil, Rio de Janeiro, RJ (Brasil)

1996

Villette-Amazonie, un manifeste pour l’environnement au XXIe siècle, Grande Halle de la Villette, Paris (France)

1998

Imagens da Revolta, Seul (Coréia do Sul)

1998 – 1999

Frans Krajcberg: ressonâncias, Exposição realizada pelo Itaú Cultural em Campinas SP [24/09 – 23/10] e Belo Horizonte MG [04/11/1988 – 08/01/1999]

1999

Amazonas, Centro Cultural Correios, Rio de Janeiro, RJ (Brasil)
2003

Art & Révolte, Museu de Montparnasse, Paris (França)

2003-2004

Paisagens Ressurgidas, Centro cultural Banco do Brasil, CCBB, São Paulo, SP (Brasil) 

2004

Art & Révolte, Musée des Beaux-Arts de Pau (França); Museu de Huesca (Espanha)
2005

Dialogues avec la nature, Bagatelle, Paris (França) - Ano do Brasil na França

A Natureza de Krajcberg: desenhos e fotografias, Sérgio Caribé Galeria de Arte, São   Paulo, SP (Brasil) 

Galeria Marcia Barroso do Amaral, Rio de Janeiro, RJ (Brasil) 13/09 – 03/10

2008

Natura, OCA Parque do Ibirapuera, São Paulo, SP (Brasil)

Homenagem a Frans Krajcberg por ocasião dos 60 anos do Museu de Arte Moderna de São Paulo 

2011

Palacete das Artes, Salvador, Bahia (Brasil) [08/04 – 17/07]

Museu de Arte Contemporânea de Niterói por ocasião dos 15 anos do Museu, Niterói, RJ (Brasil) 

A Natureza Viva de Frans Krajcberg,  Museu Afro Brasil, São Paulo, SP (Brasil) [25/01 – 27/02]

Krajcberg, o Homem e a Natureza no Ano Internacional das Florestas, Museu Afro Brasil, São Paulo, SP (Brasil) [08/07 – 20/06]

2012

Natureza Extrema, Museu Estação Cabo Branco, João Pessoa, PB, (Brasil)

2016

Frans Kracjberg, un artiste en résistance, Museu do Homem, Paris (França)

2017

Krajcberg – Uma Homenagem, galeria Frente,  São Paulo, SP (Brasil)

2018 

Um Frans, a natureza – Exposição em memória de Krajcberg: Esculturas, relevos e fotografias, museu Afro Brasil, São Paulo, SP (Brasil)

Frans Krajcberg, A Natureza como atelier, Paulo Kuczynski escritório de arte, São Paulo, SP (Brasil)

2018 – 2019

Respiração Krajcbeg, museu Casa Eva Klabin, Rio de Janeiro, RJ (Brasil) 15/09/2018 – 17 02/2019

Desde 2003

Galeria Marcia Barrozo do Amaral, Rio de Janeiro, RJ (Brasil)

Desde 2005

Espace Frans Krajcberg, Centro de Arte Contemporânea e Natureza, Paris (França)

Exposições coletivas (Seleção)

1950

Artistas Brasileiros Modernos, Teatro Municipal, São Paulo, SP (Brasil)

Exposição da O. D. A., IAB/SP, São Paulo, SP (Brasil)

1951

 1ª Bienal de São Paulo

 Iº Salão Paulista de Arte Moderna

1952

IIº Salão Paulista de Arte Moderna

1953

2ª Bienal de São Paulo

1954

IIIº Salão Paulista de Arte Moderna (Prêmio de aquisição)

- Arte Contemporânea: exposição do acervo do Museu de Arte Moderna de São Paulo, Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM/SP), São Paulo, SP (Brasil)

1955

3ª Bienal de São Paulo

4º Salão Paulista de Arte Moderna (medalha de bronze)

1956

Petite Galerie - com Milton Dacosta e Maria Leontina, Rio de Janeiro, RJ (Brasil)

1957

4ª Bienal de São Paulo (Prêmio de melhor pintor nacional), São Paulo, SP (Brasil)

6º Salão Paulista de Arte Moderna (Prêmio de aquisição), São Paulo, SP (Brasil)

VIº  Salão National de Arte Moderna, Rio de Janeiro, RJ (Brasil)

Arte Moderna no Brasil, exposição itinerante: Buenos Aires, Rosário, Santiago, Lima

1959

Drian Gallery, Londres (Inglaterra)

40 Artistas do Brasil, Galeria São Luís, São Paulo, SP (Brasil)

1959/1960

Itinerante pela Europa: Artistas Brasileiros, Leverkusen, Munique, Hamburgo (Alemanha), Viena (Áustria), Paris (França), Lisboa (Portugal), Roma (Italia), Utrecht (Holanda) e Madri (Espanha)

1961

6ª Bienal de São Paulo

Galeria Rose Fried, Nova York (Estados Unidos)

Salão Comparaisons, Paris (França)

Le Relief, Galeria do XX Siécle, Paris (França)

Galeria Ibeu Copacabana, Rio de Janeiro, RJ (Brasil)

1962

New Art of Brazil, Walker Art Center, Minneapolis, exposição itinerante nos EUA

Artistes d’Amérique Latine, Museu de Arte Moderna da cidade de Paris, Paris (França)

École de Paris,  Galeria Charpentier, Paris (França)

1963

 7ª Bienal de São Paulo (sala especial), São Paulo, SP (Brasil)

Sept artistes Brésiliens de L’École de Paris, Galerie du XXe siècle, Paris (França)

1964

32ª Bienal de Veneza (Prêmio da Cidade de Veneza)

Center for Advanced Creative Studies, Londres (Inglaterra)

1965

8ª Bienal Internacional de São Paulo, São Paulo, SP (Brasil)

Artistes d’Amérique Latine, Museu de Arte Moderna da cidade de Paris  (França)

Salão Comparaisons, itinerante : Paris, Lisboa, Praga

Pintores, Escultores, Gravadores Brasileiros, Galeria Cavalero, Cannes (França)

1966

1ª Bienal de Artes Plásticas, Salvador

4º Resumo de Arte JB, Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro, RJ (Brasil)

1967

Formes et Lieux, Galerie Maywald, Paris  (França)

1968

Salon de la jeune sculpture, Paris (França)

Salon Comparaisons, Paris (França)

Art Vivant 65/68, Fondação Maeght, St Paul de Vence (França)

1969

25º Salão de Maio, Museu de Arte Moderna de Paris (França)

Art et matières, Montreal (Canadá)

7º Resumo de Arte JB, Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro           

1970

VIII Bienal de Menton, Provença-Alpes-Côte d'Azur, (França)

Brasilianische Tage, Ingelheim am Reim (Alemanha)

Petite Galerie, Rio de Janeiro, RJ (Brasil)

1971

9º Resumo de Arte JB, Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro

Peintures et Objets, Palais Galliera, Paris (França)

1972

4º Panorama de Arte Atual Brasileira, MAM/SP, São Paulo, SP (Brasil)
Arte/Brasil/Hoje: 50 anos depois, Galeria Collectio, São Paulo, SP (Brasil)

1973

Sept artistes brésiliens, Galeria XXe siècle, Paris (França)

International Avant Garde, Instituto Brasil / EUA, Rio de Janeiro

1974

Art Minimal, Museu de Arte e Indústria, St Etienne (França)

Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro

1977

14ª Bienal Internacional de São Paulo (Prêmio Bienal de São Paulo)

Visão da Terra, Arte agora, Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro
5º Salão Global de Inverno, itinerante: Museu Nacional de Belas Artes, Rio de Janeiro; MASP, São Paulo; Fundação Palácio das Artes, Belo Horizonte e Brasília DF
Escultura ao Ar Livre, Galeria de Arte Sesc Tijuca, Rio de Janeiro

1978

As Bienais e a Abstração: a década de 50, Museu Lasar Segall, São Paulo, SP (Brasil)

1979

15ª Bienal Internacional de São Paulo, São Paulo, SP (Brasil)

1980

Homenagem a Mário Pedrosa, Galeria Jean Boghici, Rio de Janeiro, RJ (Brasil)

1981

Destaques Hilton de Gravura, exposição itinerante: Palácio das Artes, Belo Horizonte MG; Brasília DF; Casa da Gravura Solar do Barão, Curitiba, PR; Museu de Arte de Santa Catarina

MASC, Florianópolis SC; Guarujá, SP; Porto Alegre, RS ; Museu de Arte Moderna, Recife, PE; Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro; Teatro Castro Alves, Salvador BA; Museu de Arte Moderna de São Paulo, SP

1982

Brasil 60 Anos de Arte Moderna : Coleção Gilberto Chateaubriand, Exposição itinerante pela Europa : Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão, Lisboa (Portugal); Barbican Art Gallery, Londres (Reino Unido)

1983

1ª Bienal Ibero-americana de gravura, Museu de Arte Contemporânea, Montevidéu   (Uruguai) - premiado

FIAC, Feira Internacional de Arte Contemporânea, Paris (França)

1983 – 1984

Inter First Exibition, Stockholm (Suécia)

1984

Arquitetura da terra, Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro, RJ e Recife, PE

1ª Bienal de la Havana, Museu Nacional de Belas Artes, Cuba

Face à la machine, Galeria Bellechasse, Paris (França)

Inter Contemporary Art Fair, Londres (Inglaterra)

Arte Contemporânea, Madri (Espanha)
Madeira, Matéria de Arte, Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro

Pintura Brasileira Atuante, Espaço Petrobras, Rio de Janeiro
Coleção Gilberto Chateaubriand: retrato e auto-retrato da arte brasileira, Museu de Arte Moderna de São Paulo, SP

Tradição e Ruptura: síntese de arte e cultura brasileiras, na Fundação Bienal, São  Paulo, SP (Brasil)

1985

8º Salão Nacional de artes plásticas, Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro

Seis décadas de arte moderna - coleção Roberto Marinho, Paço Imperial, Rio de Janeiro

Encontros, Petite Galerie, Rio de Janeiro
Exposição Comemorativa, Galeria Bonino, Rio de Janeiro

1986

1ª Exposição Internacional de Esculturas Efêmeras, Fundação Demócrito Rocha, Fortaleza, CE
JK e os Anos 50: uma visão da cultura e do cotidiano, Galeria Investiarte, Rio de Janeiro

Esmeraldo / Krajcberg, galeria Skultura, São Paulo SP e Arte Galeria, Fortaleza CE (Brasil)

1987

Modernité, Art brésilien du XXe siècle, Museu de Arte Moderna da Cidade de Paris

Galeria Charles Sablon, Paris (França)

Ao Colecionador: homenagem a Gilberto Chateaubriand, Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro

Trabalhando com o Suporte: pintura, recorte e objeto e obras de nove artistas brasileiros, Documenta Galeria de Arte, São Paulo, SP (Brasil)

1988

19º Panorama de Arte Atual Brasileira, Museu de Arte Moderna - MAM, São Paulo, SP (Brasil)

Brazil Project, PS1, Long Island, Nova York, (Estados Unidos)

Exposição de esculturas nos Jogos Olímpicos de Seul (trabalho in loco),

Masters of Contemporary Art, Hyundai Gallery, Seul

1989

20ª Bienal Internacional de São Paulo, São Paulo, SP (Brasil)

Seis Décadas de Arte Moderna Brasileira: Coleção Roberto Marinho, Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão, Lisboa (Portugal)

Ontem, Hoje, Amanhã, Galeria de Arte Centro Empresarial Rio, Rio de Janeiro

1990

Esprit et Nature : des visions d'interdépendance, Middlebury College, Middlebury (Estados Unidos)

1991

A Mata, Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo - MAC/USP,   São Paulo, SP (Brasil)

Baendereck - Krajcberg, Centro Cultural Santander, São Paulo, SP (Brasil) 30/04 – 24/05
1992

L’Art Latino-américan : 1911-1963, Centre Georges Pompidou, Paris (França)

Natureza, quatro séculos de arte no Brasil, Centro Cultural Banco do Brasil, Rio de Janeiro

10ª Mostra da Gravura Cidade de Curitiba/Mostra América, Museu da Gravura, Curitiba, PR
The Museum of Modern Art - MoMA, Nova York (Estados Unidos)

Escultura 92: sete expressões, Espaço RBI, Rio de Janeiro, RJ (Brasil)
Museu de Arte Moderna de Salvador, BA (Brasil)
Branco Dominante, Galeria de Arte São Paulo, São Paulo, SP (Brasil)
Latin American Artists of the Twentieth Century, Estación Plaza de Armas, Sevilha (Espanha)

1993 – 1994

Brasilien: entdeckung und selbstentdeckung, Kunsthaus Zürich, Zurique (Suíça)

1993

Brasil, 100 anos de arte moderna, coleção Sérgio Fadel, Museu Nacional de Belas   Artes, Rio de Janeiro, RJ (Brasil)

A Arte Brasileira no Mundo. Uma Trajetória: 24 artistas brasileiros, Dan Galeria, São Paulo, SP

2ª A Caminho de Niterói: Coleção João Sattamini, Paço Imperial, Rio de Janeiro, RJ (Brasil)

Terre - Salon d’octobre, ville de Brive, (France)

1994

Arte Moderna Brasileira: uma seleção da Coleção Roberto Marinho, Museu de Arte de São Paulo, Masp, São Paulo, SP (Brasil)
Gravuras: sutilezas e mistérios, técnicas de impressão, Pinacoteca do Estado de São Paulo, São Paulo, SP (Brasil)
Os Novos Viajantes, Sesc Pompéia, São Paulo, SP (Brasil)
Poética da Resistência: aspectos da gravura brasileira, Galeria de Arte do SESI, São Paulo, SP (Brasil)

1995

Arte Moderna Brasileira e decoração, Rio Design Center, Rio de Janeiro, RJ (Brasil)

1996

Villette-Amazone: manifeste pour l'environnement au XXI siècle, Grand Halle de la Villette, Paris (França)

Brasil, um refúgio nos trópicos, Centro Cultural São Paulo e Jardim Botânico, Rio de Janeiro, RJ (Brasil)

Quatro mestres da escultura: Amilcar de Castro, Frans Krajcberg, Frans Weissmann Mary Vieira, Palácio do Itamaraty, Brasília, DF (Brasil)

Arte Brasileira: 50 anos de história no acervo MAC/USP: 1920-1970, Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo - MAC/USP, São Paulo, SP (Brasil)

Brasil: um refúgio nos trópicos, Centro Cultural São Paulo – CCSP, São Paulo, SP (Brasil)

1ª Brahma Reciclarte, Jardim Botânico, Rio de Janeiro, RJ (Brasil)

Arte Contemporânea Brasileira na Coleção João Sattamini, Museu de Arte Contemporânea de Niterói, - Niterói RJ (Brasil)

1997

Brazilian Sculpture, Banco Interamericano de Desenvolvimento - BID, Washigton   (Estados Unidos) e Banco Safra, São Paulo, SP (Brasil)

Diversidade escultórica Brasileira Contemporânea, Itaú Cultural, São Paulo, SP (Brasil)

Entre Esculturas e Objetos, Museu de Arte Contemporânea de Niterói, - Niterói RJ
Nove Artistas de Origem Judaica, Galeria Municipal, São Paulo, SP (Brasil)

1997/1998

Tridimensionalidade na Arte Brasileira do Século XX, Exposição itinerante   realizada pelo Itaú Cultural, São Paulo, SP; Belo Horizonte, MG; Campinas, SP; Penápolis, SP e Brasilia, DF (Brasil)

1998

Être nature, Fondation Cartier, Paris (França)

Exposição inaugural do Museu de Montparnasse, Paris (França)

Artistic imagination and ecological values, Museu de arte do colégio de Middlebury, (Estados Unidos)

São Paulo: 50, Biblioteca Municipal Mário de Andrade, São Paulo, SP (Brasil)

Escultura Brasileira: perfil de uma identidade, Espaço Cultural Safra, São Paulo, SP

Amazônicas, Itaú Cultural, São Paulo, SP (Brasil)
Canibáliafetiva, A Estufa, São Paulo, SP (Brasil)
O Moderno e o Contemporâneo na Arte Brasileira: Coleção Gilberto Chateaubriand - MAM/RJ, Museu de Arte de São Paulo – MASP, São Paulo, SP (Brasil)

Espelho da Bienal, Museu de Arte Contemporânea de Niterói - Niterói, RJ (Brasil)

1999

Les Champs de la sculpture, exposição itinerante : Champs Elysées, Paris, FR ; Bélgica ; Holanda ; Austrália ; Japão e China

Amazonas, Centro Cultural dos Correios, Rio de Janeiro, RJ (Brasil)
Rio Gravura: Gravura Moderna Brasileira: acervo Museu Nacional de Belas Artes – MNBA, Rio de Janeiro, RJ (Brasil)

2000

Brasil + 500 anos – Exposição do Redescobrimento, Fundação Bienal de São Paulo

Brasilidades, Centro cultural Light, Rio de Janeiro, RJ (Brasil)

O século XX: Arte do Brasil, Fundação Gulbenkian, Lisboa, (Portugal)

Coleção Sattamini: dos materiais às diferenças internas, Museu de Arte   Contemporânea de Niterói, - Niterói, RJ (Brasil)

2001

A Trajetória da luz na arte brasileira, Itaú Cultural São Paulo, São Paulo, SP

Matière première, Museu de Belas-Artes de Pau, (França)

Coleção Liba e Rubem Knijnik: arte brasileira contemporânea, Porto Alegre, RS (Brasil)

2002

Matéria prima na arte brasileira, Museu Oscar Niemeyer, Curitiba, Paraná (Brasil)

Modernismo: da Semana de 22 à seção de arte de Sérgio Milliet, Centro Cultural São Paulo, São Paulo, SP (Brasil)

Caminhos do Contemporâneo 1952-2002, Paço Imperial, Rio de Janeiro, RJ (Brasil)

Acervo em Papel, Museu de Arte Contemporânea de Niterói - Niterói, RJ (Brasil)

Arte Que Une: Diversidade e Confluência: Brasil-Europa, Museu de Arte de Brasília (MAB), Brasilia, DF (Brasil)

2003

Arte e Sociedade, Centro Cultural Itaú, São Paulo, São Paulo, SP (Brasil)

Apropriações, Museu de Arte Contemporânea de Niterói – MAC, Niterói, RJ (Brasil)

Ordem x Liberdade, Museu de Arte Moderna - MAM, Rio de Janeiro, RJ (Brasil)

Tesouros da Caixa: arte moderna brasileira no acervo da Caixa, Centro Cultural Caixa, Rio de Janeiro, RJ (Brasil)

Escultores - Esculturas, Galeria Pinakotheke, São Paulo, SP (Brasil)

2004

Abstração como Linguagem: perfil de um acervo, Galeria Pinakotheke, São Paulo, SP (Brasil)
Gabinete de Papel, Centro Cultural São Paulo, São Paulo, SP (Brasil)

2005

O Século de um Brasileiro: Coleção Roberto Marinho, Museu de Arte Moderna de São Paulo – MAM, São Paulo, SP (Brasil)

2007

Entre Deux Lumières - artistes brésiliens en France, Embaixada do Brasil, Paris (França)

Itaú Comtemporâneo: arte no Brasil, Itaú Cultural, São Paulo, SP (Brasil)

2009

A Arte de Colecionar-te, Museu de Arte Contemporânea de Mato Grosso do Sul,  MARCO, Campo Grande, MS (Brasil)

2011

Gravure Extrême, Centre de la Gravure et de l'Image Imprimée La Louvière, Bruxelas (Belgica)

2012

Amazônia, Ciclos de Modernidade, Centro Cultural Banco do Brasil -CCBB - Rio de Janeiro, RJ (Brasil)

2015

Abstrações na Coleção Fundação Edson Queiroz e Coleção Roberto Marinho,  Fundação Edson Queiroz, Ceará, FT, (Brasil)

2016

32ª Bienal Internacional de São Paulo, Bienal da incerteza (Homenagem a Krajcberg 80 obras expostas), São Paulo, SP (Brasil)

2018

Saison d'art, Centro de Artes e Natureza, Domaine de Chaumont-sur-Loire, (França)

Amazônia: Os Novos Viajantes,  Museu Brasileiro da Escultura e Ecologia - São Paulo, SP (Brasil)

2019

A.R.B.R.E.S, Museu Allard de Montbrison (França)

2020

The Penumbral Age, Museu de Arte Moderna de Varsóvia (Polônia)

1ª_Esculturas_que_nasceram_em_Minas_Ger

Frans Krajcberg, primeiras esculturas que nasceram em Minas Gerais, Brasil.