O “grito pelo planeta” e a COP 21

Em 2008, Ano Mundial da Árvore, Frans Krajcberg está presente na mostra O Grito - Ano Mundial da árvore, no Palacete das Artes Rodin, na Bahia.

 

Em 2012 sua obra é apresentada em João Pessoa, na exposição Natureza Extrema, para a inauguração do Museu Estação Cabo Branco. E dez anos após a exposição Bagatelle, seu “Grito pelo planeta” é fundamental nas negociações internacionais sobre meio ambiente.

 

Em 2015, Frans Krajcberg e Espace Frans Krajcberg desempenham um grande papel na COP 21 de Paris, recebendo uma delegação de líderes ameríndios, fiadores do equilíbrio ecológico, climático e cultural em escala planetária. Impondo esses personagens fundamentais, mas notoriamente ausentes, às negociações pelo clima, em Paris. Por alguns meses, o Espace Frans Krajcberg é um laboratório de ideias e trocas, uma “antena da Amazônia em Paris”.

 

2015 é o Ano do Clima. As negociações estão ocorrendo em Paris como parte da COP21. No Brasil, “O Grito para o Planeta” ressoa no Museu do Meio Ambiente, no Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

Em Paris, o Espace Krajcberg recebe representantes da França, Brasil, Peru, além dos povos ameríndios e artistas para impor a proteção da floresta amazônica, garantidora do equilíbrio ecológico, climático e cultural de nossa terra, em debates oficiais.

 

Artistas, ativistas, ambientalistas, políticos e representantes dos povos indígenas se unem para chamar a atenção para a urgência de proteger efetivamente a maior floresta do planeta. Exposições, conferências, seminários e exibições são organizados para fazer com que as vozes dos povos da floresta amazônica sejam ouvidas.

A exposição Do Manifesto do Rio Negro ao Manifesto Ashaninka é inaugurada no dia 24 de novembro, enquanto fotos das obras de Frans Krajcberg e retratos de índios de Anouk Garcia são instaladas na esplanada da Estação de Montparnasse;

- de 25 a 27 de novembro, um colóquio é organizado em Paris, pela UNESCO e pelo Museu do Homem sobre “Povos Indígenas face às Mudanças Climáticas” - Benki Piyãnko Ashaninka e Marishori Ashaninka e “Mudanças climáticas no alto Juruá-Brasil, Ucayali-Peru e a luta dos Ashaninka para a proteção da biodiversidade”. 

- 28 de novembro: encontro com a delegação ameríndia no Espace Frans Krajcberg (projetos, questões, alertas e demandas à COP21);

- de 1 a 6 de dezembro no Museu Quai Branly: conferência e Festival de Cinema do projeto Vídeos nas Aldeias - Vídeos nas Aldeias, 30 anos de cinema ameríndio, com Vincent Carelli; Lutas, projetos e soluções do povo Ashaninka (Brasil e Peru);

- 7 de dezembro, no Espace Frans Krajcberg, acontece o colóquio “Imaginaire et figuration de l’Amérindien” (Ficções, ensaios, testemunhos da Amazônia), organizado pela Sorbonne Nouvelle Université Paris-3. Em Le Bourget, no pavilhão dos povos autóctones, acontece conferência sobre “Os povos da fronteira amazônica frente às mudanças climáticas”, com Puwé Luiz Puyanawa, Yubé Huni Kuin, Moises, Wewito, Dora Jiribati. Na Universidade de Toulouse Jean Jaurès, departamento de Filosofia e Place du Capitole: intervenções públicas de Benki Piyanko Ashaninka e Marishöri Najashi, encontros políticos e artísticos.

indiens chefs.jpg

Benki Piyako Ashaninka, Frans Krajcberg, Puwé Luiz Puyanawa (Brasil) e Walter Lopez Shipibo (Peru). Foto de Anouk Gaarcia / AKIRI.

lettre page 1 COP21.jpg
lettre page 2 COP21.jpg